XXIX

Amo com o peito cheio de flores
E com a boca molhada de palavras e lágrimas.

Amo com a força furiosa do sol
E com a poesia dolorida da lua.

Amo de forma tão plena
Com tímidas dúvidas sobre a sequência dos fatos.

Amo e me espalho feito vinho ou sangue
Por frestas e fendas que encontro em qualquer lugar.

Amo tanto e não quero
Cercear o meu sentimento.

Amo tanto e não quero
Me espremer em corações pequenos.