XVII - Afogada


A voz fria da morte
Sussurra em meu ouvido,
O mundo grita
E a minha cabeça explode.

Sonho afogar-me em areia
Com uma criança nos braços
Sem guerra, sem nome

O azul do oceano me espreita
Me traga feito fumaça
E eu muda, inane
Submersa.

O mundo grita,
Mas em mim só angústia
E silêncio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário