XIII

Teus olhos famintos hoje celebram
Outonos furtivos que te afastam de mim
E por tanto afastarem, mais te aproximam
Dando voltas infinitas no oceano
Desconhecido e inexorável que é o nosso destino.
Os meus olhos famintos querem encontrar os teus
Para que num abraço de pupilas dilatadas
Saciemos a fome de outras estações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário